quarta-feira, 20 de abril de 2011

JOHNNY MATHIS “LET IT BE ME – Mathis in Nashville”

É de se admirar que um cantor, aos 74 anos de idade e 55 de carreira mantenha sempre crescente o nível de qualidade de seus trabalhos e impecavelmente cristalina a sua voz – a mesmíssima voz que cantava os grandes sucessos “My Love For You”, “It’s Not For Me To Say”, “Misty”, “Love Story”, “Evie” e o tema de amor de Romeu e Julieta, entre os anos 1960 e 1970. Pela idade que possui, mesmo entre os cantores que permanecem cantando ainda muito bem, seria natural uma considerável mudança de tom nas músicas, cantando mais nas regiões graves. Mas não com Mathis. Ele, ao contrário do normal, continua cantando com a mesma naturalidade e em tons agudos.

O mais recente trabalho, lançado em CD pelo artista próximo ao final do ano passado, não deixa nada a desejar se comparado aos seus mais aclamados Lps de décadas passadas e demonstra, acima de tudo, que Mathis não envelheceu – nem na voz, nem na versatilidade, buscando sempre uma sonoridade diferente a cada disco. Só pra citar três dos mais recentes trabalhos dele, um trazia clássicos de musicais da Broadway, com sua sonoridade característica; outro tinha grandes orquestrações, requintadas, recheadas de cordas que remetiam os ouvintes à época de ouro dele próprio e de outros grandes nomes como Sinatra ou Tony Bennet; o seguinte (anterior a esse novo) apresentava grandes clássicos pop-românticos dos anos 70 e 80, com sonoridade e arranjos bem sofisticados e modernos. Já esse disco novo vem com cheiro de terra molhada e o frescor dos campos de Nashville, com a despojada (porém não menos requintada) atmosfera country.

A vertente do Country, visitada por Johnny Mathis nesse disco, é aquela mais “pura” e mais tranqüila. Músicas leves que falam de paz, da natureza e, naturalmente, de amor. Não tem nada a ver com aquele Country de Dallas, dos rodeios. É uma sonoridade acústica, de violões. A melhor faixa, no entanto, é justamente a única mais ritmada: um alegre country que fala do prazer de “curtir” a tranqüilidade, a brisa e a natureza do campo – “Southern Nights”. Solos de Guitarras e Banjo são um ingrediente mais quente nessa música, que traduz, assim como a foto da capa, o estado de espírito desse disco.

As demais músicas do disco são mais calmas e simples. São baseadas em violões, baixo acústico, piano e bateria suave. Um acordeom, um violino solo e uma Steel Guitar aparecem apenas para compor a sonoridade country. Mesmo os arranjos de cordas mantém essa característica orgânica. O repertório traz clássicos como “What a Wonderful World”, “I Can’t Stop Loving You” “Make The World Go Away” e “Crazy”. Essa última, de Willie Nelson, ficou mais conhecida pela regravação feita em 1994 por Julio Iglesias.

Num exagero (no bom sentido) de suavidade, outra faixa que desponta como umas das melhores do disco é justamente “Love Me Tender”, de Elvis Presley, em que a voz doce de Mathis é acompanhada somente por dois violões. Em faixas como essa, Johnny Mathis mostra que a verdadeira sofisticação está contida na maior simplicidade.

O disco não é muito fácil de ser adquirido por brasileiros, uma vez que sua gravadora – a Sony Music - não realizou lançamento desse álbum aqui no Brasil. O jeito é recorrer a sites que comercializam CDs importados (como o Amazon.com) ou lojas especializadas nas capitais. O preço é salgado, mas pra quem gosta de boa música vale à pena. Pra quem desejar apenas ouvir o disco pela Internet, o site “Sonora”, do portal “Terra” disponibiliza esse disco para escuta.

Link: http://sonora.terra.com.br/#/cd/188869/let_it_be_me_mathis_in_nashville?cer=http%3A//www.google.com.br/search%3Frlz%3D1C1SKPM_enBR408BR408%26aq%3Df%26sourceid%3Dchrome%26ie%3DUTF-8%26q%3Djohnny+mathis+let+it+be+me

Músicas:

What A Wonderful World (Participação de Lane Brody)

Let It Be Me (Participação de Alison Krauss)

Make the World Go Away

Crazy

Southern Nights

You Don't Know Me

Lovin' Arms

Shenandoah

We Must Be Lovin' Right

I Can't Stop Loving You

Love Me Tender

Please Help Me, I'm Falling in Love with You

What A Wonderful World (Participação de Lane Brody – versão de Natal)

6 comentários:

Márcia Tristão-Bennett disse...

Marlos de Deus!!!!!!

Que presentao eh este que voce estah nos dando????
Parabens pela sua iniciativa!!!!!

Voce como produtor musical e tecnico de som tem um mundo musical a oferecer a quem gosta da boa musica!!!!! Vamos todos participar deste blog aqui, que tenho certeza, terah muitas historias para contar, muita musica para rolar, e muito bate-papo musical para ser escrito!!!!!

E o primeiro post, claro, tinha que ser do seu idolo Johnny Mathis!!!! Depois nos diga como pretende desenvolver o blog. Serah sobre artistas em geral?

Adorei a novidade!!!!!!!!

Quem vive sem musica MIDIVIRTO, sem instrumentos reais, sem as belas vozes de cantores e de um belo coral e sem belos arranjos!!!!!!!!!!!!!



Abracoseduardolageanos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Beth disse...

Parabéns por sua postagem. Apesar de tudo, ele continua fantástico e dispensa comentarios! O cd está lindissimo, adorei!

.................................................... disse...

Que maravilha hein?Parabéns.Realmente Johnny continua fantástico, a prova é este maravilhoso CD o qual realmente não é fácil de encontrar concordo, mas, se alguém estiver interessado poderá encontra-lo no CDPOINT
http://www.cdpoint.com.br/CD/JOHNNY-MATHIS-LET-IT-BE-ME--MATHIS-IN-NASHVILLE+++88697563142-1-1-B.html

pode colar o link no seu navegador.

Fiquei feliz com este espaço onde o assunto é o nosso ídolo JOHNNY MATHIS.

Obrigada pela oportunidade,
Graça.

Marlos Chambela disse...

Obrigado pela visita e pelos comentários!!

Esse espaço é nosso. Nele vou estar sempre postando algum comentário sobre algum CD ou DVD ou alguma matéria sobre o mundo da música. Não vamos nos restringir a apenas um artista, vamos sempre, na medida do possível, estar trazendo alguma novidade ou compartilhando alguma informação relacionada a música.

Espero que gostem e participem!


Abração!!!!

Marlene disse...

Marlos,finalmente alguém capacitado escreveu aqui no Brasil sobre Johnny Mathis.Há muito tempo,tenho comentado com amigos porque JM nunca foi citado em lugar nenhum.Nas festividades da comemoração dos seus 75 anos também nada foi dito.Fico muito triste por isso pois ele é um artista completo.Que bom foi ter lido seu blog.Marlene Dorini

lucidreira disse...

Olá Marlos, estou um pouco atrasado no comentário, pois estive fora da mídia virtual por problemas de saúde e de conexão na NET, realmente você faz uma breve e completa explanação sobre esse disco do Johnny, dando-lhes enfase ao frescor, suavidade e eterna voz.
O espaço no SONICO sobre a comunidade Johnny Mathis foi criada por mim com algumas pessoas também colaborando na administração caso queira fazer parte dela é só deixar seu ok.
Gostei de todo o seu blog e estou te seguindo e coloquei seu link no meu espaço blog.
Abraço